Brincadeiras eletrônicas X Brincadeiras Físicas

Brincadeiras eletrônicas X Brincadeiras Físicas

E aí? Tudo bom com vocês?

Hoje vamos falar de algo muito importante, porém deixado de lado atualmente. Vamos conversar sobre “Brincar”.

Nos dias de hoje é comum vermos as crianças entretidas com seus smartphones, tablets e videogames, e por isso as brincadeiras antigas estão entrando em extinção, mas sabemos da importância da atividade física e por isso vamos separar as duas coisas e ditar os prós e contras dessas duas formas de brincar.

As brincadeiras físicas trazem muitas experiências importantes para a criança. E poucos sabem que a brincadeira é o exercício físico mais completo de todos e é através dela que agregamos valores e virtudes à nossa vida. Melhoramos nossa comunicação, podemos ser qualquer coisa e elevamos a imaginação para resolver problemas ali, na hora, além de gastarmos energia, enfrentarmos perigos e sentirmos as dores de uma queda bem nos nossos joelhos. Tudo isso nos prepara para a vida, e é importante que os adultos saibam disso.

Ao incentivar uma brincadeira você está criando oportunidades para a criatividade, as crianças sempre estarão esperando por isso. É através das brincadeiras que as crianças ampliam os conhecimentos sobre si, sobre o mundo e sobre tudo que está ao seu redor ampliando sempre sua visão observadora.

Brincadeiras como, Amarelinha e Esconde-esconde melhoram o companheirismo e ao mesmo tempo elevam a importância da competição e ainda garantem às uma boa condição física em sua infância.

 

Quais os problemas das brincadeiras físicas?

Apesar de sabermos sobre todos os benefícios, ainda temos que levar em consideração o medo de muitos pais e educadores. Muitas vezes as brincadeiras físicas são interessantes, mas levam as crianças para as ruas aumentando os riscos e as preocupações com segurança. É comum vermos as pessoas da geração passada sempre lembrarem dos seus dias maravilhosamente divertidos nas ruas, os dias de antigamente, porém os mesmos conhecem os riscos e medos que enfrentaram nas ruas e por isso, os mesmos, elevam seus cuidados com os seus filhos.

Como tudo na vida, as brincadeiras físicas precisam ter limites. Promova essas brincadeiras com crianças amigas, geralmente, da mesma faixa etária, os coleguinhas da escola. Leve-os sempre a parques e a lugares seguros com sua supervisão, caso não esteja com os olhos presentes o quintal de casa é uma ótima opção.

Mas nunca, nunca deixem de incentivar as brincadeiras físicas. E se você for um adulto que brinca com as crianças sem vergonha, você conseguirá uma maior interação e afeto dos pequenos.

 

E os jogos eletrônicos?

Os mais antigos acham que os jogos eletrônicos são extremamente prejudiciais a criança. Assim como existem adultos que privam as crianças das brincadeiras físicas, existem os que privam das brincadeiras eletrônicas.

Mas os jogos eletrônicos estimulam diversas experiências impossíveis de se viver, além do incentivo à cultura e a curiosidade, eles elevam a imaginação às alturas. Histórias incríveis e mundos diferentes fazem com que uma simples visão observadora se transforme em uma visão mais crítica das coisas. Sem contar no tamanho da diversão com todos aqueles efeitos inesperados. Em algumas crianças os jogos podem trazer mais coragem, ou retirar do vocabulário a palavra “Desistir” devido às inúmeras tentativas de alcançarem seus objetivos. Aprender com as falhas também entra nesses benefícios. Ainda garantimos a segurança das crianças que estarão dentro de casa e não precisam de sua supervisão constante.

Estimule sempre os jogos eletrônicos, as crianças estarão mais abertas e distantes de determinados preconceitos, pois nos jogos eletrônicos elas podem conhecer pessoas de vários cantos do mundo.

 

Quais os problemas dos jogos eletrônicos?

O sedentarismo é algo que deve ser combatido para evitarmos certos problemas de saúde e incentivarmos o contato entre as pessoas. Não deixe uma criança o dia inteiro no computador, ou em videogames, pois muitos a maioria desses jogos pedem que a criança esteja quieta, sentada em uma cadeira.

Na verdade, podemos dizer que o problema entre as brincadeiras são os extremos. Não se pode deixar uma criança solta na rua o dia inteiro e achar que ela estará evoluindo com isso, da mesma forma não se pode deixar uma criança sem o convívio físico e os benefícios da brincadeira física.

Podemos concluir que as crianças precisam mesmo é de brincar. Incentive todos os tipos de brincadeiras, mas cada um no seu limite.

E para ajudar nesse incentivo vou trazer para vocês várias brincadeiras antigas para incentivar a parte física, e acho que o Aurélio pode trazer algo eletrônico para vocês qualquer dia desses. Fiquem ligados no próximo post.